quinta-feira, 11 de outubro de 2007

Bem vindo à casa de bonecas

"Se os senhores tem lágrimas, preparem-se para derramá-las agora."
William Shakespeare, Julio César, ato III, cena ii

Carta pública

"Cansei de lágrimas. Eu choro, chorei, chorarei, mas não posso derramá-las a torto e a direito. Choro sim, sempre chorei, mas cessaram-se as lágrimas sem motivo.

Comecei a chorar, meus caros, quando comecei a me não perceber senhor de mim mesmo. Neste ponto desatei no choro, e tornei-me não-senhor absoluto de mim mesmo, senhor absoluto do desespero. E o desespero ainda me impele e me rasga, quando percebe, torpemente, que não sou o que queria ser e que não sou o que deveria ser.

Matei-me. Quando? Quando não mais me quis assim e me vi em um mar de torpor e silêncio. Se era o silêncio da morte, qual a diferença? Matei-me e hoje me sinto um Zacarias, pirotécnico, inexistente, amedrontador.

Não tenho mais lágrimas, escolhi não tê-las. Se as tem, chorai. Chorai por mim e por todos que a mim são caros. Já não os quero. Já não preciso de ninguém. Sou só. Sou pleno. Sou buda."


Comentário

O relato acima é tenso e desprovido de sentimentos reais. Seu autor não sentiu realmente aquilo que estava dizendo, o que não é exatamente um problema, porém o leitor não sente junto com o autor. É um texto vazio, fraco, frio e desprovido de emoções gritantes. Tenta se impor, e não consegue. É um texto falso. De falsas pretenções. Falsamente ilusório.

As lágrimas deste autor são doces, doces lágrimas sorridentes, de quem se acha senhor do palco e pastor das ovelhas que são os leitores. No entanto este pastor não me arrebanhou e, espero, não arrebanhou os senhores. Choremos, sim, choremos, mas pela pretensão inesgotável do texto. Sequemos nossas lágrimas, sim, sequemos, mas apenas porque este autor e seu texto, não as merecem.

Bem vindos à casa de bonecas, quem vos espera é falso e quem vos acolherá é oco. Bem vindo, esta é tua realidade, esta é a tua mais fria e retumbante realidade.




5 comentários:

Thiago Augusto Corrêa disse...

Você ficou com inveja do meu jogo de espelhos!!

Elis disse...

muito bom arthur.

parece outro.

Vinício dos Santos disse...

e aí eu me coloquei a pensar: o que justifica o que? o texto ou a crítica?

mas eu conheço seu senso de humor arthur... eu sei se o ovo aqui veio primeiro que a galinha ou não, rs

Eu disse...

Snif snif

Thiago Augusto Corrêa disse...

Mas perai,

vamos parar e pensar na galinha e no seu farfalhar, então.