sexta-feira, 5 de outubro de 2007

A doce idiotice

Nunca me dei por satisfeito com a idéia de que o que nos separa dos animais é que nós pensamos e eles não. Para mim a questão é ainda mais específica: todos choramos, temos medo, sentimos fome, arranjamos um jeito de viver em sociedade, mas só os homens sabem rir – e está aí o que eu acho que nos separa: senso de humor

Desconfio que ninguém leva esta hipótese a sério porque nunca tomaram o riso como uma coisa importante. Historicamente o senso de humor tem sido negado pelos homens: na Grécia Antiga, Platão já descia a lenha na tragédia e acho que ele nem mesmo achou digno falar sobre a comédia – que já era vista como um subproduto. Jesus, em seus ensinamentos bíblicos, fala de compaixão, perseverança e misericórdia, mas em momento algum de “alegrai-vos uns aos outros com piadas”.

No fundo, o que a sociedade faz é ignorar o senso de humor alegando-o inútil - mas isso é mascarar o adversário sob o pretexto do inofensivo. Viver em sociedade nada mais é do que levar a vida a sério, e isto seria realmente comprometido se as pessoas todas decidissem de uma hora para outra que tudo é uma grande bobagem. Desse jeito, a sociedade nos confiou o papel de idiotas, para que assim pudéssemos continuar parte dela e não ameaçar risco algum. Nós, os engraçadinhos, somos admitidos ao grande banquete – mas embaixo da mesa, de modo a existir mas não de aparecer.

A sociedade está cheia de idiotas – mas idiotas com função: a maioria deles é um consumidor em potencial das toneladas de lixo produzido pela indústria e empurrada pela mídia, enquanto o engraçadinho não é capaz de nada a não ser rir da moda nova que lançarem. De fato, nosso único poder seria o de provocar o caos completo ao apelarmos para o senso de humor natural e desmoralizar a sociedade pelo deboche – mas depois a aparência iria prevalecer.

Na nossa posição de bichos de pelúcia exóticos então, resta a nós fazer graça da existência enquanto ela nos aceita por falta de escolha. Contentes com a nossa posição de liberdade dentro da cela, nós temos a honra de ir dormir pensando que de todos os idiotas nós somos os melhores.



3 comentários:

Ariadne Celinne disse...

Viva a idiotice consciente. ^^
\o/

Arthur Malaspina disse...

"nós temos a honra de ir dormir pensando que de todos os idiotas nós somos os melhores"

Ultimamemnte não tenho mais certeza nem disso.

Thiago Augusto Corrêa disse...

Po,

Eu acho que, se a Central medisse por idioticesse, eu estaria bem no ranking. =P