segunda-feira, 1 de outubro de 2007

eu não sou daqui

A escola pode ser, e normalmente é, um lugar horrível. Horrível mesmo, tal qual inferno em plena vida. Sempre me pareceu injusto que crianças precisassem passar por tudo aquilo – tudo isso – para purgar pecados que nem mesmo cometeram. Ainda.

Acontece que a escola fica sendo uma escola de pecados, com redundância e tudo mais. É lá que se aprendem os infinitos sinônimos para a palavra “mãe”, os muitos mais que 38 nomes para “puta” – que fariam Ruy Barbosa se sentir no pré-primário – e toda a infinidade de maldades possíveis de serem feitas com uma caneta Bic e algumas tachinhas enferrujadas.

É lá também que se descobrem amores, se fazem inimigos, se travam batalhas homéricas em pleno pátio, durante o recreio. E, sobretudo, é lá que se descobre o quanto o ser humano é diferente.

Crianças gordas, como eu fui – gordas mesmo -, eram os maiores alvos de piadas. Maiores alvos, entenderam? Enfim, o que quero dizer é que, graças àquele tempo – dez anos passados – aprendi como viver em meio a pessoas diversas, que costumavam se divertir com minha simples e rotunda existência.

Daí vem o fato de eu nunca ter tido amigos. De eu nunca ter feito parte de turminhas, panelinhas, essas coisas. Lembro como se fosse hoje – talvez porque isso ainda aconteça todo santo dia, quando ando pelo campus pra ver o céu – dos recreios passados, durante os quais eu passava caminhando pelos corredores da escola, sozinho, mãos nos bolsos, observando as outras crianças viverem suas vidas repletas de divertimento, felicidade e companhia.

Crianças gordas têm duas alternativas para sobreviver ao mundo dos normais: ou elas são simpáticas ou estudiosas. Eu nunca fui simpático. Nunca, e isso se estende de tal modo, até hoje, que voltemeia nem me sinto fora da quinta série.

Na quinta série, especialmente fora da sala de aula, aprendi a ser sozinho.

7 comentários:

Arthur Malaspina disse...

Ótimo o texto...fiquei mais depressivo ainda. Que coisa que todos os textos desse tema estejam saindo tristes...

Mas de qualquer forma, lembre-se sempre, que os momentos alegreas, NADA te acrescentam a vida.

A.C. disse...

Muitoooo bom o texto, apesar de triste. Eu também acho que a escola é horrível. Se você leva ela sério, é tachado de nerd, cdf.. e etc. É um belo exemplo da sociedade... Apesar de que pelo que me disseram o mundo real é muito mais cruel. De qualquer forma, daqui a pouco mais de um mês, escola já era para mim.

disse...

Querido... a escola não pode ser vista só como algo ruim. Todos passamos por traumas, e muitos deles aconteceram na escola, pq é lá que passamos grande parte do nosso tempo infância/adolescência, fases extremamente importantes das nossas vidas.

Mas pense: lá foste tachado, julgado e condenado, e lá mesmo aprendeste a lidar com isso. Mesmo optando pela solidão, aprendeste. Mude o foco!

"A escola é um edifício com quatro paredes e o amanhã dentro dele" - George Bernard Shaw

eliana disse...

chorei! te amo!

Sidney disse...

Olha já que é sabido a merda de escolas que temos em nosso país, não deveriam deixar marcas de tristeza, pois as merdas geralmente e muito recentemente ja na era do saneamento são jogadas fora.
Por isso as coisas que nada serviram de alegrias tem que se fazer como as merdas , jogar fora.
O melhor de tudo é que quando se é bom em algo geralmente desperta nessas pessoas bobas uma certa inveja, já que vivemos não só na escola, mas pelo restante de nossa caminhada com pessoas bobas.
Então vamos raciocinar dessa maneira:
Já que existem muito mais pessoas bobas do que pessoas legais, damos um ¨vão tomar no olho dos vossos cus¨e seguimos en frente pois a vida é maravilhosa para quem sabe viver.
E vamos andando em frente que atrás vem gente.
Meio pra baixo mas muito bom texto.
Um grande abraço
Sidney

iris disse...

te compreendo...
e como.

Vinício dos Santos disse...

as pessoas vao parar de ler esse blog porq ele causa depressao, hein?rs
muito bom, leandro, muito bom